Archives for : novembro2014

Quando o homem descobriu o amor

Uma semana após a criação da mulher, o homem voltou-se à Deus e disse-lhe:
– Senhor, a criatura que fizestes para ser minha companheira transformou a minha vida num tormento. Ela fala sem cessar e insiste em que lhe dê atenção o dia inteiro. Chora por qualquer motivo. Fica emburrada com facilidade e é quase impossível fazer com que deixe de ficar emburrada. Vim devolvê-la.  Por favor, não se ofenda, mas, não posso viver com ela.

Uma semana depois:
– Senhor, minha vida ficou tão vazia desde que eu lhe devolvi a mulher que me deste. Penso nela o tempo todo, em sua alegria, seus olhos, sua voz, seus beijos e abraços. Como dormia em meus braços, como se fosse um anjo. Se for possível, Senhor, peço que a devolva para mim.

Uma semana depois:
– Senhor, não sei como lhe explicar, mas nestas últimas semanas cheguei à conclusão que ela me causa mais problemas do que alegrias. Tome-a de volta, por favor! Não consigo viver com ela!

– Mas, também não pode viver sem ela!

– É verdade, Senhor, não consigo viver com ela e não consigo viver sem ela. O quê está acontecendo comigo, meu Deus?

– Você acaba de descobrir o AMOR. O único modo de vocês conseguirem viver juntos é com amor.

Compartilhar

O amor tem suas histórias cabeludas

Um casal muito pobre queria se presentear no Natal, mas nenhum dos dois tinha dinheiro.

A Esposa, tinha um cabelo maravilhoso, resolveu vendê-lo para comprar uma pulseira nova para o marido colocar no relógio que havia herdado do pai (uma jóia que acompanhava a família há três gerações), e que há muito tempo estava com a pulseira quebrada.

Quando o marido chegou em casa, na noite de Natal, levou um tremendo susto ao vê-la de cabelo curto, mas sua surpresa foi ainda maior quando ela lhe deu a pulseira, pois, para poder comprar para ela dois pentes raros, de casco de tartaruga, orlados de pedraria, na cor exata para combinar com seu cabelo, ele havia vendido o relógio.

Eu sei quem você é – Uma História de Alzheimer

Todas as manhãs um senhor idoso pegava aquele ônibus lotado e descia em frente à uma clínica. Certo dia, uma moça que sempre o observava, perguntou-lhe: – O senhor trabalha nesta clínica?

– Não, respondeu ele, minha esposa está internada aí. Ela tem o mal de Alzheimer.

– Puxa, lamento muito. E como ela está?

– Não está muito bem. Está com a memória bastante prejudicada. Já nem me reconhece mais.

– Mesmo assim o senhor enfrenta este ônibus lotado todos os dias, somente para vim visitá-la.

– Sim!

– Mas, se ela já não o reconhece mais, nem se lembra das coisas, porque o senhor vem todos os dias?

– Ela já não sabe quem eu sou, mas eu sei quem ela é. Ela não se lembra mais das coisas, mas eu jamais me esquecerei dela.

Um Domingo Quase Igual

Mamãe estava muito concentrada fazendo o almoço de Domingo, quando papai convidou-me para ir com ele comprar guaraná.

Saímos com duas sacolas cheias de vasilhames. Eu estava ficando animado, pois estávamos chegando perto do bar. Para minha surpresa, ele passou direto, sem parar, parecendo não ter visto o bar.

Então perguntei: – Pai, você não vai comprar aqui?

E ele respondeu: – Vamos mais adiante.

Seguimos mais alguns metros e chegamos perto da padaria, que fica bem em frente a adega. Fiquei intrigado quando tranqüilamente ele seguiu em frente como se não tivesse visto nem uma nem outra.

Tornei a perguntar: – Pai, nós não vamos pegar os refrigerantes aqui?

Pacientemente, respondeu-me: – Só mais um pouquinho e nós vamos chegar ao mercado.

Confesso que estava ficando chateado e bravo, pois tínhamos passado por três lugares diferentes que vendiam guaraná e o meu pai quis andar mais só para comprá-los ali.

Ao entrarmos no mercadinho, Sr. Silva nos deu um sorriso muito gostoso e espontâneo. A primeira coisa que perguntou foi se a mamãe havia melhorado do resfriado.

Prestativamente foi pegando nossas sacolas e colocando nelas os refrigerantes. Meu pai quis saber notícias da mulher dele, dona Maria. Foi informado de que ela estava arrumando a casa e preparando o almoço, pois o domingo era o único dia da semana em que não trabalhavam o dia todo. Os dois conversaram mais um pouco e então pude observar a amizade e o carinho que respeitosamente tinham um pelo outro.

Ao despedirem-se, Sr. Silva fez um gesto carinhoso na minha cabeça, olhou-me com ternura e comentou com meu pai: – Como está bonito este garoto! Você deve ter muito orgulho dele!

Saímos do mercadinho e voltamos para casa. No caminho comecei a pensar e responder no lugar do meu pai à pergunta que eu mesmo havia lhe feito enquanto íamos. O preço daquele refrigerante era mais ou menos igual em qualquer um dos lugares, só que ali, naquele mercadinho, tanto eu quanto meu pai sentimo-nos reconhecidos como seres individuais, pessoas distintas e diferentes do mundo.
Naquele domingo aprendi uma lição especial; igual em conteúdo, em rótulo e em tampinha só mesmo o guaraná.

Eu sou alguém especial, tenho minha individualidade e devo valorizar-me por isso, fazendo a mesma coisa com as outras pessoas. Isto é muito legal e faz com que nos sintamos muito bem.

Quanto vale um copo de Leite? Linda história!

um copo de leiteUm dia, um rapaz pobre que vendia mercadorias de porta em porta para pagar seus estudos, estava com muita fome e só lhe restava uma pequena moeda no bolso.

Decidiu, então, que ao invés de tentar vender, iria pedir comida na próxima casa; porém seus nervos o traíram quando uma encantadora jovem lhe abriu a porta.

Em vez de comida, pediu um copo de água. A mulher percebeu que ele estava com fome e lhe deu um grande copo de leite. Ele bebeu devagar e depois lhe perguntou:

– Quanto lhe devo?
– Não me deve nada – respondeu ela. E continuou: – Minha mãe sempre nos ensinou a ajudar as pessoas.
– Pois te agradeço todo coração, a você eà sua mãe.

O rapaz saiu daquela casa não só refeito fisicamente, mas também com sua fé renovada em Deus e nos homens. Ele já havia resolvido abandonar os estudos devido às dificuldades financeiras que estava passando, mas aquele gesto de bondade o fortaleceu.

Anos depois, essa jovem mulher ficou gravemente doente. Os médicos locais estavam confusos. Finalmente a enviaram à cidade grande, para se tratar.

O médico de plantão naquele dia era o Dr. Howard Kelly, um dos maiores especialistas do país naquela área. Quando escutou o nome do povoado de onde ela viera, uma estranha luz encheu seus olhos e de pronto foi ver a paciente.

Reconheceu-a imediatamente e determinou-se a fazer o melhor para salvar sua vida, passando a dedicar-lhe atenção especial. Contudo, nada lhe disse sobre o primeiro encontro que tiveram no passado.

Depois de uma terrível batalha, eles finalmente venceram aquela enfermidade.

Ao receber alta, ela teve medo de ver a conta do hospital, porque imaginava que levaria o resto da sua vida para pagar por aquele tratamento tão caro e demorado. Quando, finalmente, abriu a fatura, seu coração se encheu de alegria com estas palavras: “Totalmente pago – há muitos anos – com um copo de leite – ass.: Dr.Howard Kelly.” Só então ela se lembrou de onde conhecia aquele médico.

Um Rosa? ou um Porco Espinho?

Umrosaa história para ilustrar o amor entre as pessoas é a de um homem  que nunca tinha visto uma única rosa em sua vida, entrou numa floricultura e comprou um lindo arranjo para dar para a sua esposa, mas, tanto gostou daquelas maravilhosas flores que, posteriormente, comprou umas mudas de roseira e passou a cultivá-las no quintal da sua casa.

A princípio, cuidou muito bem delas, porém, antes que um único botão surgisse em sua plantação, ele ficou abismado com a quantidade de espinhos:
– Como pode uma flor tão linda vir de uma planta tão espinhosa?

Entristecido, abandonou o cultivo e deixou que as plantas morressem por falta d’água.

 

Aplicação: Temos que ter em consciência que se ferirmos as pessoas que estão dispostas a cuidar bem de nós, corremos o risco de faze-las desistir de nós e então deixar o sentimento morrer.

Um amigo de Jesus, Nisto conhecerão que são meus

maca do amorEra um dia comum em uma estação de trem numa grande metrópole, no meio de toda a multidão da estação nota-se uma pequena menina vendendo maçãs do amor, as pessoas passam por ela com tanta pressa que nem são capazes de notar suas pequenas mãozinhas estendidas oferecendo as “Deliciosas maçãs do amor da Juju”.

Então, algo desastroso acontece…

Na chegada de um dos trens que estava lotado as pessoas saem com tanta pressa de dentro do trem que “atropelam” a pobre menina, a caixa que continha as suas maçãs-do-amor cai no chão e as pessoas começam a pisotear as maçãs, ela tenta até recuperar as maçãs mas a multidão a impede. Ao final de todo o show de horror que ela passou, um homem para e começa a ajuda-la a recolher suas maçãs, com muita dó dela.

As maçãs estavam estragadas e sua decepção foi logo expressada:

_ Ahh, isso não é bom, essas maçãs eram tudo o que eu tinha para conseguir dinheiro para o remédio da minha mãe!

O homem ao ouvir isso sugere:

_ Quer saber? vou te contar um segredo! sou um grande admirador de maçãs do amor! quero comprar todas elas de você, não importa se estão quebradas eu gosto tanto que compro elas assim mesmo.

Os olhos dela começam a brilhar de emoção, ela fica paralisada e sem ação, apenas aceita a oferta daquele estranho e ao vê-lo ir embora corre na direção dele e diz:

_Senhor, Senhor! posso fazer uma pergunta? ouvi falar de um homem que vive a sua vida ajudando as pessoas, eu acho que o senhor é esse homem! O senhor é Jesus?

_ Não, mas sou amigo dele! Responde o homem com positividade e seus olhos cheios de lágrimas.

 

Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos,
se tiverdes amor uns aos outros. (João 13.35)

A Generosidade é Contagiosa

generosidadeBryan seguia por uma estrada no meio de um grande nevoeiro, ele quase não viu a senhora com o carro parado no acostamento, mas percebeu que ela precisava de ajuda. Assim, parou o seu carro e se aproximou.
O carro dela cheirava à tinta de tão novinho.
Mesmo com o sorriso que ele estampava na face, ela ficou preocupada. Ninguém tinha parado para ajudar durante a última hora.
Ele iria aprontar alguma coisa? Ele não parecia seguro; parecia pobre e faminto.
Ele pode ver que ela estava com muito medo e disse: “- Eu estou aqui para ajudar madame. Por que não espera no carro onde está quentinho? A propósito, meu nome é Bryan”.
Bem, tudo o que ela tinha era um pneu furado, mas, para uma senhora, era ruim o bastante.
Bryan abaixou-se, colocou o macaco e levantou o carro. Logo ele já estava trocando o pneu. Mas, ficou um tanto sujo e ainda feriu uma das mãos.
Enquanto ele apertava as porcas da roda ela abriu a janela e começou a conversar com ele. Contou que era de St. Louis e só estava de passagem por ali. Disse que não sabia como agradecer pela preciosa ajuda.
Bryan apenas sorriu, enquanto se levantava.
Ela perguntou quanto devia (qualquer quantia teria sido muito pouco para ela). Já tinha imaginado todas as terríveis coisas que poderiam ter acontecido se Bryan não tivesse parado.
Bryan não pensava em dinheiro. Aquilo não era um trabalho para ele. Gostava de ajudar quando alguém tinha necessidade. Este era seu modo de viver e nunca lhe ocorreu agir de outro modo. Ele respondeu:

“- Se realmente quiser me reembolsar, da próxima vez que encontrar alguém que precise de ajuda, dê para aquela pessoa a ajuda de que ela precisa”. E acrescentou: “… e pense em mim”. Ele esperou até que ela saísse com o carro e também se foi.

Tinha sido um dia frio e deprimido, mas ele se sentia bem, indo para casa, desaparecendo no crepúsculo.

Algumas milhas abaixo a senhora encontrou um pequeno restaurante. Ela entrou para comer alguma coisa. Era um restaurante um tanto sujo. A cena inteira era estranha para ela.
A garçonete veio até ela e trouxe-lhe uma toalha limpa para que pudesse esfregar e secar o cabelo molhado e lhe dirigiu um doce sorriso. Um sorriso que, mesmo depois de um dia inteiro de trabalho com os pés doendo, não pode apagar.
A senhora notou que a garçonete estava com quase oito meses de gravidez, mas ela não deixou a tensão e as dores mudarem sua atitude.
A senhora ficou curiosa em saber como alguém que tinha tão pouco na vida podia tratar tão bem a um estranho. Então se lembrou de Bryan.
Depois que terminou a refeição, enquanto a garçonete buscava troco para a nota de cem dólares, a senhora se retirou. Já tinha partido, quando a garçonete voltou. A garçonete ainda queria saber onde a senhora poderia ter ido quando notou algo escrito no guardanapo, sob o qual tinha mais 4 notas de cem dólares.
Havia lágrimas em seus olhos quando leu o que a senhora havia escrito.
Dizia: “Alguém me ajudou uma vez e da mesma forma eu a estou ajudando. Se você realmente quiser me reembolsar, não deixe este círculo de amor terminar em você”.
Bem. Havia mesas para limpar, açucareiros para encher e pessoas para servir. Aquela noite, quando foi para casa e deitou-se na cama, ficou pensando no dinheiro e no que a senhora deixara escrito.
Como pode aquela senhora saber o quanto ela e o marido precisavam disto?
Com o bebê para o próximo mês, como estava difícil. Ela virou-se para o preocupado marido que dormia ao lado, deu-lhe um beijo macio e sussurrou:

“- Tudo ficará bem, meu amor. Eu te amo Bryan”.

Hoje, antes de começar o seu dia lembre-se: a generosidade é contagiosa e forma um grande círculo de amor, precisamos aprender a sermos generosos assim todo o mundo será completamente reformado.

Com o que o cristão deve gastar o seu dinheiro?

pessoas-pobres

Hoje, o dinheiro se tornou um fator dominante na vida de todas as pessoas no mundo, com ele é possível comprar tudo o que necessitamos e também até aquilo que não é necessário, é possível também ver algumas pessoas serem compradas por dinheiro, alguns dizem que “todos tem o seu preço” e me impressiona que essa filosofia tem entrado até mesmo em algumas religiões, que vendem perdões de pecados e bençãos alegando que aquele que não dá o dizimo vai querer ser abençoado e não vai alcançar.

A Bíblia conta uma História muito interessante em Atos Capitulo 8, lá Felipe (o evangelista) começa a pregar na Samaria e com grande poder converte um grande numero de pessoas, entre elas “Simão, o Feiticeiro”, um antigo feiticeiro que vendia curas aos cidadãos de Samaria o mais interessante é que a conversão de Simão não foi completamente sincera é claro que o julgamento só cabe a Deus, mas o principal interesse de Simão era poder receber o poder do Espirito Santo para realizar curas e vende-las as pessoas, com isso ele chega ao ponto que quero exaltar nessa história: Simão o Feiticeiro oferece dinheiro a Pedro para que ele desse também o Poder de Deus a ele, porém recebe a seguinte resposta:

— Que Deus mande você e o seu dinheiro para o inferno! Você pensa que pode conseguir com dinheiro o dom de Deus? Você não tem direito de tomar parte no nosso trabalho porque o seu coração não é honesto diante de Deus.(Atos 8: 20 a 21)

Pedro aqui deixa claro que pessoa nenhuma pode comprar a favor de Deus! é comum vermos as pessoas pensando que podem doar a uma igreja uma certa quantia e serem duplamente retribuídos ou até ficarem ricos, algumas religiões usam isso até como doutrina, porém, o principal objetivo das doações a igreja é investir o nosso dinheiro em algo que realmente seja importante, doar a igreja não é uma poupança para esse mundo terreno e sim uma poupança para o mundo vindouro. É claro que Deus abençoa aqueles que doam de coração aberto, por afinal de contas quanto mais um pessoa tiver maior será a contribuição dela a Deus, mas o nosso principal foco precisa ser investir nosso dinheiro nas coisas celestiais.

Quero te levar a lembrar uma vez na sua vida que você comprou algo e se arrependeu depois, talvez você comprou algo que pensou que seria útil e não foi, pode ser que tenha investido em ações que só te deram prejuízo ou até mesmo olhe no passado quando você fez uma “vaquinha” para comprar algo que hoje para você não tem valor algum. Agora quero que você pense no dia em que você estiver diante de Deus, será que você irá se orgulhar das compras que fez aqui na terra? será que você poderá dizer com prazer para Deus quais foram as coisas que ocuparam o seu tempo e gastaram o seu dinheiro? ou talvez você irá se arrepender das coisas pela qual você investiu aqui na terra?

Deus não quer que você viva uma vida miserável e sem regalias, e também não está interessado em te negar aquela tão sonhada viagem, porém, o maior desejo dele é que você invista o seu tempo e o seu dinheiro nas coisas que te trarão frutos no céu, afinal essa é uma das coisas que EU DUVIDO que você irá ter como arrependimento na presença de Deus;

Fiquem com Deus! e deixem seus comentários!

Senhor Deus diz:
“Escutem, os que têm sede: venham beber água!
Venham, os que não têm dinheiro: comprem comida e comam!
Venham e comprem leite e vinho, que tudo é de graça.
Por que vocês gastam dinheiro com o que não é comida?
Por que gastam o seu salário com coisas que não matam a fome?
Se ouvirem e fizerem o que eu ordeno, vocês comerão do melhor alimento, terão comidas gostosas.
Escutem-me e venham a mim, prestem atenção e terão vida nova. (Isaías 55:1-3)

A Ilha dos Sentimentos

Era uma vez uma ilha onde moravam os sentimentos.

Num dia de muita tempestade a ilha toda foi inundada e cada um procurou salvar-se como pode.

O AMOR, no entanto, não se apressou, pois queria ficar um pouco mais com sua ilha tão querida. Mas a situação ficou feia e ele começou a se afogar.

Ao ver a RIQUEZA passando em seu luxuoso iate, pediu ajuda: – Não posso levar você, não cabe. Meu barco está cheio de ouro e prata!

Ao ver a VAIDADE passar, também pediu ajuda: -Não posso, você está todo sujo e vai sujar meu barquinho!

Ao ver a TRISTEZA passar, também pediu ajuda: -Ah! AMOR, estou tão triste… prefiro ficar sozinha!

A INDIFERENÇA nem sequer respondeu ao seu pedido de socorro.

Foi então que passou um velhinho e a socorreu: -Sobe, AMOR, eu levo você. O Amor ficou tão feliz e aliviado que até se esqueceu de perguntar o nome do seu benfeitor.

Chegando ao alto de um morro, onde estavam os sentimentos que se haviam salvado, ele perguntou à SABEDORIA: -Quem é aquele velhinho que me salvou?

Ela respondeu: -O TEMPO. Somente o TEMPO é capaz de dar valor a um grande AMOR.