Assaltado Três Vezes

dois caminhos

Assaltado três vezes: Três amigos viajavam por uma estrada deserta quando se viram diante de uma encruzilhada. Sem nenhuma placa que lhes indicasse categoricamente qual das duas estrada deveriam seguir nem ninguém por perto para lhes dizer a direção a tomar, iniciaram uma calorosa discussão.

Um deles insistia que deviam pegar a estrada à esquerda. Os outros dois preferiam o outro caminho. Tentaram convencê-lo a irem os três juntos, primeiro à direita, depois à esquerda, caso estivessem errados, com os devidos pedidos de desculpas, é claro. Mas, não deu certo.

Buscaram, então, ganhá-lo pelo coração, lembrando-o que juntos iniciaram aquela jornada, que estavam perto do destino, e que nunca é uma boa idéia separar companheiros de viagem, pois dificilmente acabam se encontrando novamente.

No entanto, o teimoso mostrava-se irredutível, exigindo que o seguissem, senão, iria ficar ali mesmo, descansando, enquanto eles “quebravam a cara”, andando feito bobos. E os avisou que, quando eles voltassem, iria zombar bastante deles.

Após um longo período de discussão, acabaram se separando.

Nos primeiros instantes, após a separação, o teimoso sentia-se muito bem, firmado em suas convicções, mas, tão logo seus companheiros desapareceram lá longe na estrada, ele foi assaltado três vezes.

Primeiro, ele foi assaltado pela solidão. Uma solidão miserável e tão sem-graça, aparecida assim, do nada, sem ser convidada.

Depois, foi assaltado pelo arrependimento, pois sabia que não deveria ter-se separado de seus amigos. Fosse o que fosse, era melhor terem ficado juntos (apesar dele ainda não querer admitir isso).

Por fim, ele foi literalmente assaltado por dois sujeitos mal-encarados que passaram por ali e o obrigaram a lhes “dar” seus sapatos.

Compartilhar

Comentários encerrados.